Carrilho e a publicação de fotos de Bárbara nua na Net
Segundo despacho do Ministério Público, Bárbara terá tentado sair da casa de banho após ter sido fotografada, mas foi agarrada pelo agora ex-marido, que de acordo com a acusação acabou por agredi-la. O clima de terror entre Bárbara Guimarães e Manuel Maria Carrilho terá começado em 2010, com muitas discussões que, segundo o despacho do Ministério Público (MP) a que o JN teve acesso, culminaram em agressões físicas por parte do antigo ministro da Cultura à apresentadora. O político terá mesmo, de acordo com o MP, fotografado a agora ex--mulher na banheira, com o intuito de colocar depois as fotografias na net. Tudo terá acontecido no dia 5 de outubro de 2013, de manhã, na sequência de mais uma discussão.

"O arguido [Carrilho] entrou na casa de banho, onde a assistente [Bárbara] estava a tomar banho, nua e, observando-a disse-lhe "Estás velha. Já ninguém te quer". Perante o pedido de Bárbara para que saísse da casa de banho, o arguido respondeu--lhe "Estás muito enganada, saio quando quiser"", lê-se no despacho do MP. Bárbara terá insistido "dizendo-lhe "sai daqui para fora e se precisas vai mas é ver sites pornográficos". O arguido saiu e voltou alguns instantes depois, munido de uma máquina fotográfica, com a qual tirou várias fotografias à assistente ao mesmo tempo que lhe dizia "Quem vai para os sites pornográficos és tu! Já foste apanhada"", consta no mesmo documento. Para se defender, Bárbara Guimarães terá atirado água para cima do ex-marido, pegado numa toalha para se tapar, já que estava nua, e saído da banheira. "Quando se preparava para sair da casa de banho, foi agarrada pelo arguido, que lhe desferiu um pontapé no tornozelo e a entalou contra a porta, antes que ela conseguisse libertar-se. Como consequência direta e necessária deste comportamento do arguido, a assistente sofreu um ferimento no pé, que sangrou, e diversas nódoas negras e nos braços", lê-se no mesmo despacho.

Este é apenas um dos relatos que constam na queixa que Bárbara apresentou contra Carrilho. Na mesma acusação podem ler-se diversos tipos de alegadas agressões psicológicas e físicas, incluindo ameaças de morte, a ela e aos filhos.

Carrilho manifestou-se, entretanto, sobre as acusações de que é alvo e classificou as declarações de Bárbara "tão falsas como escabrosas". "Por isso mesmo, eu nem sequer contestei em sede de inquérito ou de instrução. (...) Acredito que a verdade e a justiça acabarão por prevalecer e continuo a aguardar serenamente por esse momento", lê-se no seu Facebook.


Quem votou nesta notícia



Recomendado para si
Gostou desta notícia?